Portal da Cidade Mariana

16 de julho

CÉLLULA MÃE DE MINAS

Andreia Donadon Leal – Mestre em Literatura pela UFV

Postado em 16/07/2020 às 19:45 |

(Foto: Coleção Márcio Lima)

16 de julho é o único dia do ano em que as fadas adormecem nos jardins, segundo a tradição irlandesa. O costume é colocar pequenos travesseiros dentro das flores ou no jardim. No dia seguinte, os travesseiros se transformam em pequenos amuletos impregnados de magia.

Ao olharmos a história da igreja, encontramos também uma página marcada pelos homens de Deus: a história da Ordem dos Carmelitas. A palavra Carmelo significa “jardim”, quando abreviada se diz “carmo”. No cenário bíblico do velho testamento, no século IX antes de Cristo, viveu numa gruta o solidário profeta Elias, em espírito de penitência.

Defensor da fé de um só Deus profetizou a futura existência da Virgem Maria. Inspirado na vida de Elias, o Carmelo se tornou local de retiro espiritual de eremitas que buscavam o modelo de perfeição monástica alcançada pelo profeta. A partir de 1237 os carmelitas foram quase expulsos do Monte Carmelo, pois a Palestina vivia sob forte pressão dos muçulmanos. A Ordem do Carmo atravessou uma fase difícil com perseguições e rivalidades até por volta de 1250.

No dia 16 de julho de 1251, Simão teve uma visão da Virgem Maria sentada numa nuvem cercada de anjos, confirmando proteção celestial. Como símbolo de sua união aos carmelitas, entregou a Stock o Escapulário do Carmo, prometendo salvação a todos que o usassem com fé. Na Lenda de Nossa Senhora do Carmo, um forte temporal se manifestou, quando os pescadores trabalhavam no mar. Mulheres fizeram fogueira no adro da igreja procurando orientar seus maridos no caminho do regresso. Dos barcos no mar alto, os pescadores viram a luz e a imagem de Nossa Senhora do Carmo. Eles chegaram sãos e salvos. Tudo isto se passou no dia 16 de julho.

Às margens do ribeirão que traspassa a cidade de Mariana, em 1696, nasceu o arraial de Nossa Senhora do Carmo, primeira vila criada na capitania. Em 1745 nomeada por ordem do reino, Mariana. Aqui começa a história de Minas quando bandeirantes paulistas acharam ouro no Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo.

Se fizermos uma trilogia destes fatos marcados na história da civilização, poderemos dizer que 16 de julho é data de magia, fé e nascimento da Mãe de Minas. Mariana, Matriz Mineira, uma das cidades mais importantes do Circuito do Ouro, presente na Terra dos Inconfidentes e dos grandes poetas que fazem parte da literatura nacional. Mariana faz parte do universo, que faz parte do ser humano, que faz parte dos contos de fada. Além das montanhas, na fala poética de Durão, Cláudio, Alphonsus e poetas de hoje que bradam ou versejam amor incondicional à mãe de Minas Gerais.

As coisas em que mais acredito atualmente são os contos de fadas. O país das fadas não é outra coisa senão o ensolarado senso comum da democracia e tradição. Os supernaturalistas não falam somente sobre a grama, mas sobre as fadas que voam na grama. Por que não citar o universo de fadas para homenagear a Primaz? No país das fadas não falamos de lei, porque não existe injustiça.

Transformemos a CÉLULA MÃE DE MINAS, no paraíso das fadas, em ouro inestimável que deve ser cuidada com desvelo e amor incondicional feito joia rara, raríssima, nesse cosmo que não tem comparação nem preço. VIVA 16 DE JULHO, DIA DA CELLULA MATER: MARIANA/ Pátria amada de Minas!

Poesias em homenagem à Mariana

Ouviram das ruas de mariana

badalos festivos de sinos

macios

puros

divinos

e-ternas

vozes de crianças.


Ouviram da rachadura do céu 

sincopada banda do mestre Gegê

canto de anjos

gorjeio uníssono de pintassilgos

sabiás e bem-te-vis.

durão!

cláudio!

alphonsus!

ecos poéticos

inversa canção:

zumbidos soprados

v e n t o s declamados

Ouviram das montanhas de minas


No céu

na terra

nas montanhas

no Ribeirão do Carmo

ouviram diversas vozes

em som retumbante:

- Mariana/

Cellula Mater de Minas!


Mariana dos nossos corações

Teriam ladeiras nuas cobertas

Depois da vastidão mineradora

Que a luz divina, chama protetora

Dá em compensa pelas mãos libertas

  Teriam poemas doces declamados 

Porto seguro a se chamar de umbral

Que Dom João Quinto de olhos deslumbrados

Determinou que fosse a capital


Teriam penas pondo à prova a fé

Nas pedras que erigiam casarões

Ouvindo os toques dos sinos da Sé


Teriam tempo pra canções

Saboreando quitandas com café

Na Mariana dos nossos corações



Receba as notícias através do grupo oficial do Portal da Cidade Mariana no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. 📲

Participe: CLIQUE AQUI 👈

Faça parte também das nossas redes sociais: Facebook e Instagram.

Fonte:

Receba as notícias de Mariana no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário