Portal da Cidade Mariana

Conferência

Vereadores debatem situação dos professores contratados em Mariana

A Câmara oportunizou este momento de diálogo entre os profissionais contratados e a administração pública

Postado em 03/05/2020 às 13:00 |

(Foto: Departamento de Comunicação I Câmara Municipal de Mariana I Divulgação)

Na manhã da última segunda-feira (27), a Comissão Permanente de Educação da Câmara de Mariana realizou reunião remota com representantes dos professores contratados pelo município, com a secretária municipal de Administração e com a advogada do escritório Garcia e Macedo, que é responsável pela elaboração do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) dos profissionais da categoria.

Entre as principais reivindicações dos professores está a defasagem salarial destes profissionais em relação aos professores efetivos da rede municipal de ensino.

O professor de educação física, Eduardo Oliveira, membro do Sindicato dos Servidores Municipais, ressaltou que a perda nos salários dos contratados chegou a quase mil reais depois da sanção da Lei Complementar nº 194/2019, que instituiu o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos profissionais da Educação. “Eu sou professor efetivo e contratado em Mariana e desempenho as mesmas atividades em ambos os cargos, porém recebo como contratado quase a metade do salário do cargo efetivo”, ressaltou o professor. "Quando a gente recebeu o primeiro salário foi frustrante", desabafou a professora contratada de Matemática, Érica das Graças Ferreira, sobre os vencimentos em 2020.

O professor de inglês, Erick Drumond , também questionou perdas no contrato celebrado em fevereiro deste ano e o fato de os contratados não possuírem mais o direito de receber o descanso semanal remunerado. “Não há como manter os contratos do jeito que estão”, pediu Drumond.

Para o advogado Eduardo Pandolpho, que representa os professores contratados, a situação dos profissionais de ensino pode ser resolvida seguindo o edital do concurso simplificado realizado no ano de 2018, que tem validade por dois anos. “O concurso foi firmado com base em um edital. O edital é a lei entre as partes”, ponderou o advogado.

A secretária de Administração, advogada Arlinda Gonçalves, explicou que o Executivo não teve a intenção de reduzir os salários dos professores, apenas vem cumprindo com a lei que rege os contratos temporários.

A Lei Complementar Municipal nº 175/2018 determina que o profissional temporário não pode ter vencimentos maiores que os trabalhadores efetivos. “Se for falar, neste momento, em alterar o vencimento do servidor contratado, a gente está autorizando o servidor contratado a receber mais que o servidor efetivo”, explicou a secretária.

O vereador José Jarbas Ramos filho, Zezé de Nego (MDB) e a vereadora Daniely Alves (PR), esclareceram que não houve nenhuma votação de projetos que tinham como pano de fundo o corte em salários de servidores públicos. Eles lembraram que o Legislativo fomenta pautas de valorização do servidor, seja ele efetivo ou contratado.

A Comissão de Educação da Câmara deliberou pelo envio de um ofício ao prefeito Duarte Júnior relatando os questionamentos dos professores contratados e solicitando um estudo sobre os salários dos profissionais contratados.


Receba as notícias através do grupo oficial do Portal da Cidade Mariana no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. 📲

Participe: CLIQUE AQUI 👈

Faça parte também das nossas redes sociais: Facebook e Instagram.


Fonte:

Receba as notícias de Mariana no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário