Portal da Cidade Mariana

LAMA

Atingidos por barragens bloqueiam via em protesto em Mariana

4 anos após rompimento da barragem de Fundão, considerado um dos maiores crimes ambientais do país, cidade e pessoas ainda sofrem

Postado em 05/11/2019 às 13:02 |

(Foto: João Paulo Silva I Jornal Voz Ativa)

Cerca de 200 atingidos por barragens nas bacias do rio Doce, do rio Paraopeba e do rio Jequitinhonha bloquearam a MG-129, saída para Barão de Cocais, em Mariana (MG), na manhã desta terça-feira (5/11).  

Há exatamente quatro anos, o rompimento da barragem de Fundão causou um dos maiores crimes ambientais do país, matou 19 pessoas, varreu do mapa os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, além de afetar gravemente a economia da região. 

Os atingidos questionam a volta da operação da mineradora Samarco, uma vez que a população atingida ainda não teve a reparação e seguem sem direitos. “O deles eles olham, mas em quatro anos não deram o que nós merecemos”, afirmou um atingido. 

Empunhando cartazes, os atingidos e integrantes do Movimento por Atingidos por Barragens (MAB) também cobraram a reestatização da mineradora Vale, além de justiça para Mariana e para a vereadora Marielle Franco. 

A socióloga e política brasileira foi executada no Rio de Janeiro em 2018, aos 38 anos, com dois tiros na cabeça e um no pescoço. As investigações sobre o caso caminham a passos lentos e mais de um ano depois, a justiça parece longe de ser feita. 

No último 25 de outubro, o Conselho Estadual de Política Ambiental de Minas Gerais (COPAM), concedeu a última licença necessária para que a Samarco volte a operar em Mariana, mais precisamente no Complexo de Germano. Por meio de nota, a empresa revelou que estima a retomada de suas atividades por volta do final do ano de 2020. 


Fonte:

Deixe seu comentário