Portal da Cidade Mariana

Coluna

Conviver com a violência no mundo real não conversa com as estatísticas

Confira a nossa coluna com opiniões sobre os fatos da semana I Produzida pela jornalista Júlia Souza.

Postado em 12/09/2020 às 20:30 |

(Foto: Pixabay)

Os registros relativos à criminalidade e violência na Região dos Inconfidentes, se mostraram mais baixos, em geral, no primeiro semestre de 2020 do que o registrado no ano passado.

Dados divulgados pela própria Polícia Militar demonstram uma redução considerável no número de crimes violentos (o índice é cerca de 43% menor do que no primeiro semestre de 2019), furtos e roubos. Além de um aumento nas apreensões de armas de fogo e de prisões em flagrantes.

Contudo, para a população a sensação pode ser um pouco diferente. Viver e testemunhar as pequenas, ou grandes, violências no dia a dia pode deixar uma marca nos moradores.

Roubos, furtos, brigas e desentendimentos, violência doméstica, homicídios.. tudo isso dói num povo, dói no povo. As marcas de luto e pesar não saem, apenas ficam mais brandas com o tempo. Testemunhar crimes violentos pode abalar o psicológico e o emocional, e ser vítima deles é ainda mais nocivo.

Mulheres que são violentadas, agredidas, podem desenvolver depressão severa, síndrome do pânico, transtorno de estresse pós traumático e diversas outras patologias. Pessoas que vêem a violência mudar e moldar o mundo à sua volta passam por uma situação parecida, é um padrão sofrer com a violência.

O medo nos faz esconder o celular em locais estratégicos, nos faz construir muros cada vez mais altos e colocar cercas cada vez mais afiadas sobre eles… somos cada vez menos capazes de enxergar e assimilar a dor do outro como legítima. O medo nos tira a empatia.

Em uma comunidade, o bem estar social depende de todos e de cada um. É uma questão coletiva e, enquanto houverem pessoas sofrendo - de fome, miséria, sem recursos que satisfaçam suas necessidades mais básicas, sem acesso à educação e informação, entre outras formas legítimas de emancipação social - nós falhamos. Falhamos enquanto indivíduos e falhamos como sociedade.  

É preciso lutar, em grupo, para defendermos os nossos. Para que as estatísticas - que demonstram, sim, a realidade - possam ser sentidas. Precisamos humanizar os números, para que possamos conhecer o dito “bem viver”, afinal não há união que se faça sem que cada um possa ceder, ao menos um pouco, e não há sentido sem sentir.  

Júlia Souza / Jornalista / Mariana

Tranformação

Para evoluir enquanto sociedade e ver a transformação do medo em paz, precisamos caminhar juntos... é como diria um velho ditado: "a união faz a força"!

Júlia Souza / Jornalista / Mariana


Receba as notícias através do grupo oficial do Portal da Cidade Mariana no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. 📲

Participe: CLIQUE AQUI 👈

Faça parte também das nossas redes sociais: Facebook e Instagram.

©️ 2020 | Todos os direitos deste material são reservados aos autores do texto e ao Portal da Cidade Mariana LTDA., conforme a Lei nº 9.610/98. A sua publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia é proibida.

[Este texto foi produzido pela jornalista Júlia Souza, não sendo de redação do Portal da Cidade e, deste modo, pode não representar as opiniões da empresa.]

Fonte:

Receba as notícias de Mariana no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário