Portal da Cidade Mariana

Desastre de Mariana

Autoridade da ONU considera vagarosas as reparações pelo desastre de Mariana

Com projetos fora do cronograma e moradores lutando por justiça, especialista da ONU vê como atrasadas as reparações de danos.

Postado em 17/09/2020 às 17:25 |

(Foto: Portal da Cidade de Mariana)

A população de Mariana vivencia, já há cinco, o drama de lutar pela reparação de danos pelo rompimento da barragem de Fundão que atingiu, primordialmente, o distrito de Bento Rodrigues. Contudo, a tragédia afetou a vida de toda a cidade, que vê os seus moradores na luta por justiça desde então.

Recentemente, a matriz de danos dos atingidos foi protocolada no fórum da cidade. Seu objetivo é estabelecer valores corretos para as indenizações, em se tratando dos danos decorrentes do rompimento da barragem de rejeitos da mineração da Samarco (Vale e BHP).

Presentemente, nenhum dos 42 projetos para reparação dos danos causados pelo rompimento em 2015, se encontra dentro do cronograma. É o que indicou o relatório de um especialista da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado pouco antes de a mineradora BHP saber se será processada na Inglaterra em função do desastre.

O relator especial da ONU Baskut Tuncak - um especialista independente responsável por investigar de que maneira os direitos humanos são afetados por substâncias perigosas - pontuou que as mineradoras não conseguiram oferecer reparações eficazes, visto que o pior desastre ambiental da história do Brasil prejudicou as vidas de mais de 3 milhões de pessoas.

A BHP afirmou que a Fundação Renova já gastou cerca de 1,7 bilhão de dólares em projetos que envolvem auxílios financeiros a indígenas Krenak, a reconstrução de comunidades e o estabelecimento de novos sistemas de abastecimento de água.

Mas Tuncak disse que o "verdadeiro propósito" da Renova parece ser "limitar as responsabilidades da BHP e da Vale", e pediu que a estrutura de governança da Fundação passe por reestruturações.

A Renova pontuou que vem trabalhando para compensar as vítimas com projetos como programas de reassentamento, monitoramento da qualidade da água e ajuda financeira.

Em julho, mais de 200 mil pessoas e grupos brasileiros iniciaram um processo de 5 bilhões de libras contra a BHP no Reino Unido, por causa do desastre, alegando que as compensações têm sido lentas e inadequadas.

A BHP classificou o processo na Inglaterra como sem sentido e perda de tempo, alegando que o caso duplica procedimentos já em tramitação no Brasil e que as vítimas já têm recebido reparações. Um juiz britânico deve decidir neste mês sobre a possibilidade de o processo ir adiante. 


Receba as notícias através do grupo oficial do Portal da Cidade Mariana no seu WhatsApp. Não se preocupe, somente nosso número conseguirá fazer publicações, evitando assim conteúdos impróprios e inadequados. 📲

Participe: CLIQUE AQUI 👈

Faça parte também das nossas redes sociais: Facebook e Instagram.

Fonte:

Receba as notícias de Mariana no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário